Exportação da piscicultura brasileira em 2021 supera a de 2020 nos primeiros três trimestres

Escrito por 

Publicado em 29/11/2021. Última atualização: 30/11/2021.

Foto por jcomp no Freepik

 

 

Em nove meses, de janeiro a setembro de 2021, o Brasil exportou produtos da piscicultura no valor total de U$ 12,8 milhões. Este montante configura um crescimento de 10% sobre o que foi movimentado em todos os doze meses de 2020 no setor. No ano passado, as exportações totalizaram U$ 11,7 milhões, o que representou um valor 4,4% superior ao verificado em 2019.

 

Manoel Pedroza, pesquisador da Embrapa Pesca e Aquicultura na área de economia agrícola, acredita que as exportações de 2021 devem atingir um crescimento de 15% em comparação a 2020 até o final do ano. Dados do terceiro trimestre deste ano já apontam montantes financeiros 71% maiores do que os do mesmo período de 2020.

 

Dentre as espécies mais exportadas encontram-se o tambaqui, os curimatás e a tilápia – esta última sendo a líder consolidada de vendas para o exterior no país. Estima-se que 85% do valor de todo o peixe exportado pelos produtores brasileiros nos três trimestres deste ano tenham sido angariados apenas com a tilápia, chegando a U$ 10,9 milhões.

 

O país que mais importou os produtos da piscicultura brasileira foi, de longe, os Estados Unidos, sendo o destino de 54% dos peixes exportados pelo país. Esse valor pode ser convertido financeiramente em U$ 7 milhões. A China, a segunda maior importadora, é responsável por 12% das exportações brasileiras, gerando mais de U$ 1,5 milhão.

 

Segundo as projeções de Pedroza, no entanto, os líderes terão futuros um pouco distintos. Enquanto a posição de liderança da tilápia é sólida e deve se manter no médio prazo, mesmo com a perspectiva de crescimento de espécies como os curimatás e o tambaqui, os EUA podem perder um pouco de sua relevância no cenário de exportação da piscicultura brasileira. Há a estimativa de uma maior diversificação de destinos, como já se tem visto com o aumento das exportações para o Peru, a Colômbia e o Chile, que juntos totalizam a compra de mais de 20% dos peixes do país.

 

Fonte: Embrapa

Não perca mais nada sobre o mundo da economia do mar.

Receba matérias como essa no seu e-mail sem pagar nada por isso.

ASSINE