Cruzeiros marítimos: Anvisa aprova as medidas sanitárias para o retorno do setor em novembro

Escrito por 

Publicado em 03/11/2021. Última atualização: 03/11/2021.

Imagem de LUM3N por Pixabay 

 

 

O retorno das atividades dos cruzeiros, suspensas desde o início da pandemia, foi liberado no dia 2 de outubro e já vale para a temporada que se inicia neste mês (indo até abril de 2022).

 

A expectativa do governo é de que este setor crie 35 mil empregos e gere uma receita de R$2,5 bilhões de reais para a economia, o que representará um crescimento de 11% em relação à temporada de 2019/2020. Estima-se que haja sete navios alçados durante os cinco meses, ofertando mais de 560 mil leitos e com cerca de 570 escalas por portos brasileiros.

 

Em nota, o Ministério do Turismo afirmou que a autorização se deu pela aprovação conjunta de medidas do Ministério da Justiça, da Saúde, da Infraestrutura e da Casa Civil, além de ter passado pelo Presidente da República. A ação foi movida contra a indicação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que informou, em setembro, que ainda não havia segurança para o retorno das atividades.

 

No entanto, no dia 29 de outubro a Agência aprovou as regras sanitárias que serão o protocolo para embarque e desembarque da tripulação e dos passageiros nessa temporada. Dentre elas, a obrigatoriedade de estar imunizado contra o COVID-19 (com exceção de crianças e outros indivíduos não elegíveis a tomar a vacina) e o teste de identificação do vírus (com a adição de um formulário listando os últimos sintomas gripais sentidos e se houve contato com algum infectado antes da viagem). A bordo, todos os embarcados deverão usar máscara e respeitar as medidas de distanciamento social.

 

Além disso, as agências marítimas deverão enviar à Anvisa um informe diário sobre o estado de saúde de todos os viajantes. Estes documentos serão de domínio público, compartilhados especialmente para os moradores das cidades que estejam incluídas nas rotas de desembarque dos cruzeiros. Sinalizações de lotação, disponibilização de álcool em gel, eventos sociais apenas ao ar livre e equipe de saúde treinada a bordo também estão entre as exigências sanitárias obrigatórias.

 

Nélio Cézar de Aquino, gerente-geral de Portos, Aeroportos, Fronteiras e Recintos Alfandegados da Anvisa, afirmou à Agência Brasil que a regulação do setor é um “trabalho bastante árduo” mesmo com todos os protocolos definidos, e que, por isso, tanto as atividades nos terminais quanto nas embarcações poderão ser suspensas mais uma vez caso haja a identificação de riscos à saúde pública.

 

 

Fonte: RODRIGUES, Alex. Anvisa define regras para a volta dos cruzeiros marítimos: Ocupação do navio não deve exceder a 75% de sua capacidade. InAgência Brasil. [S. l.], 29 out. 2021. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/saude/noticia/2021-10/anvisa-define-regras-para-volta-dos-cruzeiros-maritimos. Acesso em: 3 nov. 2021.

Não perca mais nada sobre o mundo da economia do mar.

Receba matérias como essa no seu e-mail sem pagar nada por isso.

ASSINE