Conama aprova eletrificação total das plataformas marítimas de P&G

Escrito por 

Publicado em 25/10/2021. Última atualização: 25/10/2021.

Imagem de Julius Romero por Pixabay 

 

 

Neste mês de outubro, a indústria de petróleo e gás (P&G) deu um importante passo para o processo de descarbonização. Acatando a demanda do Instituto Brasileiro de Petróleo e Gás (IBP), representante do setor no país, o Conselho Nacional de Meio Ambiente (Conama) aprovou, no último dia 7, a alteração da Resolução 382/2006. Com isso, o uso de tecnologia all electric, crucial para a diminuição da quantidade de combustível consumido para a geração de energia, foi liberado nas plataformas marítimas de P&G.

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) considerou a alteração positiva, posto que a eletrificação dessas plataformas irá garantir a redução de 20% das emissões de gases poluentes. O estudo incluído no pleito e realizado pelo professor Paulo Artaxo, do Instituto de Física da Universidade de São Paulo (USP), concluiu que a proposta fazia sentido do ponto de vista ambiental, científico e técnico.

 

Essa alteração também permitirá uma particularização dos limites de emissões de gases poluentes sobre as operações offshore. Considerando-se que o setor encontra-se tecnologicamente preparado para a total adoção de all electric, isso não será um problema. A Petrobras, uma das maiores produtoras do mundo, vem diminuindo suas emissões desde 2008 e está comprometida com a redução de 25% até 2030, em comparação com o montante de 2015.

 

Roberto Ardenghy, diretor de Relacionamento Institucional e Sustentabilidade da Petrobras, garante que a eletrificação das plataformas é benéfica em todos os âmbitos:

 

“(…) Ter melhor eficiência em carbono também favorece a indústria nacional, pois há mais possibilidade de oferta de equipamentos nacionais em substituição a equipamentos que hoje são importados, e representa maior competitividade para o petróleo e gás brasileiro nos mercados futuros internacionais”, disse.

 

Não perca mais nada sobre o mundo da economia do mar.

Receba matérias como essa no seu e-mail sem pagar nada por isso.

ASSINE